Juros

BTG (BPAC11): não é fim do mundo BC fazer ‘parada técnica’ nos cortes

"Se for nove a zero pela manutenção dos juros, a taxa de médio prazo vai até cair", declarou o presidente do conselho do BTG

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O presidente do Conselho de Administração do BTG Pactual (BPAC11), André Esteves, declarou nesta quinta-feira (6) que “não é o fim do mundo” se o BC (Banco Central) fizer uma parada técnica no corte de juros na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) “em decisão unânime”.

As declarações foram feitas durante um evento promovido pela Previ, em São Paulo. Segundo o presidente do conselho do BTG Pactual (BPAC11), uma decisão nesse sentido pode inflamar uma “chiadeira” no mundo político, mas será boa.

Em seu entendimento, esse momento pode gerar uma queda na parte média da curva de juros futuros.

“Se for nove a zero pela manutenção dos juros, a taxa de médio prazo vai até cair. Se [a Selic] cair de maneira forçada, vai ter o efeito contrário, a taxa média vai subir”, declarou ele, de acordo com o “Valor”.

Além disso, ele pontuou que é preciso pensar no médio e longo prazo, mas lembrou que essa será a primeira transição de comando da autarquia após a sua independência.

“Pode ter uma fricção aqui e ali, mas para as gerações que vêm pela frente, é bom que seja uma transição da maneira mais harmoniosa possível”, pontuou.

BTG Pactual (BPAC11) compra fatia na gestora de Bill Ackman

Uma participação de 10% da Pershing Square foi vendida por Bill Ackman, gestor de fundos hedge, antes da IPO (oferta inicial de ações) na Nyse. O BTG Pactual (BPAC11), de André Esteves e Roberto Sallouti, está entre os compradores escolhidos, em uma transação avaliada em US$ 1,05 bilhão. 

Além do BTG Pactual, outros investidores como a Arch Capital Group, Consulta, ICONIQ Investment Management, Menora Mivtachim Holdings e um grupo internacional de family offices estão inclusos na venda da fatia.

“Estamos muito satisfeitos em convidar um grupo de parceiros de longo prazo e de classe mundial como investidores em nosso negócio, que tem sido inteiramente de propriedade dos funcionários da Pershing Square desde a nossa criação, há mais de 20 anos”, consta no comunicado de Ackman.