Campos Neto

Taxas futuras de juros sobem após preocupações com inflação

No final da tarde, a taxa do DI (Depósito Interfinanceiro) para janeiro de 2025 estava em 10,41%, contra o ajuste anterior de 10,39%.

Foto: Pxabay
Foto: Pxabay

Depois de oscilarem para baixo durante a maior parte do dia, as taxas futas de juros fecharam em alta nesta sexta-feira (24). Isso ocorreu após o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarar que as expectativas de inflação têm sido uma má notícia e alertar para os possíveis impactos da tragédia no Rio Grande do Sul na inflação.

No final da tarde, a taxa do DI (Depósito Interfinanceiro) para janeiro de 2025 estava em 10,41%, contra o ajuste anterior de 10,39%. Já a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,84%, ante 10,75% do anterior.

Na última quarta-feira (22), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, estressou a curva ao qualificar a meta de inflação de 3% como “ousada para o histórico do Brasil”.

Nesta sexta-feira, houve continuação do movimento de acomodação durante a maior parte do dia, com as taxas voltando a ceder.

“O mercado manteve a tendência de ontem, de tirar o prêmio no (DI) longo e deixar o curto no zero a zero”, disse Adauto Lima, economista-chefe da Western Asset, no início da tarde, de acordo com o “InfoMoney”.

“De qualquer forma, isso ocorre com ajuda do cenário externo, com o T10 (Treasury de dez anos) caindo”, acrescentou.

Avenue traz spread regressivo de câmbio e transparência nas taxas

Avenue, plataforma de investimentos que permite aos brasileiros investirem diretamente no mercado americano, e terem uma conta internacional em dólar e euro, lança uma nova dinâmica de spread regressivo, proporcionando mais transparência e personalização ao cliente. Além disso, a taxa se torna uma das mais favoráveis do mercado para investimentos.

“Sempre priorizamos a segurança dos nossos clientes, com investimentos maciços em infraestrutura operacional e regulatória. E, para uma instituição financeira, é essencial ter uma margem financeira saudável para isso. Nossa experiência histórica mostra que o crescimento é fundamental para reduzir os preços, e esse compromisso foi assumido por nós desde o início. Chegamos a um tamanho e volume financeiro que nos permitem reduzir os preços preservando a nossa margem. Por isso, conseguimos realizar esse importante movimento, que já estava planejado e mapeado há algum tempo”, explica Roberto Lee, CEO da Avenue.