Socorro ao Rio Grande do Sul

Haddad: Lula deve fazer anúncio sobre dívida do RS nesta segunda (13)

A tendência é a de que Lula anuncie a suspensão da dívida do RS por até 2 anos

Ministro Haddad
Ministro Haddad (foto: Alessandro Dantas/Fotos Púlbicas)

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na tarde desta segunda-feira (13), planeja anunciar uma medida relacionada à renegociação da dívida do estado do Rio Grande do Sul com a União, de acordo com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT).

“Hoje, o presidente [Lula] deve anunciar, na presença de representantes do Senado, Câmara e do Supremo Tribunal Federal, uma medida específica sobre a dívida do Rio Grande do Sul. Eu vou deixar o anúncio a cargo da Presidência”, disse Haddad, sem detalhar qual seria essa medida.

Com o Rio Grande do Sul sendo novamente afetado por fortes chuvas, enfrentando uma das maiores tragédias climáticas de sua história, o governo central intensificou as negociações com o governador Eduardo Leite (PSDB) sobre a dívida do estado.

Há uma tendência de que Lula anuncie a suspensão da dívida por até 2 anos, desde que os recursos sejam direcionados para a reconstrução do estado.

Quando perguntado se as medidas relativas à dívida do Rio Grande do Sul poderiam ser estendidas a outros estados, Haddad respondeu que, por enquanto, o que será anunciado se aplicará exclusivamente ao governo gaúcho.

“Neste momento, é a calamidade [no Rio Grande do Sul] que nós estamos atendendo. Vai chegar um momento em que vamos retomar um debate que já havia sido negociado [com outros estados], mas foi interrompido em virtude dessa situação”, disse o ministro.

Haddad anuncia medidas de ajuda ao RS com impacto de R$ 50,1 bi

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, revelou, nesta quinta-feira (9), que planeja realizar um conjunto de medidas destinadas a auxiliar os impactados pelas enchentes no Rio Grande do Sul com um impacto financeiro total estimado em R$ 50,9 bilhões.

De acordo com Haddad medidas incluem antecipação do abono salarial e linhas de crédito especiais para as famílias, empresas e pequenos produtores atingidos afetados pela crise na região. 

No que se refere ao resultado primário, que não considera os gastos com juros, o impacto será de aproximadamente R$ 7,6 bilhões.

A expectativa do Governo é que cerca de 3,5 milhões de pessoas sejam beneficiadas por essas ações. 

Uma das medidas mais abrangentes citada por Haddad é a antecipação do cronograma de pagamento do abono salarial de 2024, um benefício que atingirá diretamente 705 mil trabalhadores com carteira assinada.