Abertura do mercado

Ibovespa abre em queda com PIB e payroll no radar; dólar cai

Bolsas mundiais sobem, em semana marcada por payroll, BCE e PIB do Brasil

Ibovespa
Ibovespa (Foto: Pixabay)

Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira, a B3, iniciou o pregão desta segunda-feira (3) estável, com leve queda, na contramão do exterior, com PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil e payroll nos EUA no radar.

Por volta das 10h15 (horário de Brasília) o marcador caia 0,02%, aos 122.105 pontos.

dólar comercial seguia o mesmo padrão, com queda de 0,02%, cotado a R$ 5,24.

Ibovespa é movimentado por dados econômicos

Nos primeiros negócios desta segunda-feira (3), o índice está operando em queda, em contraste com os mercados internacionais.

A expectativa gira em torno da divulgação do PIB do Brasil do primeiro trimestre (1T24), do payroll nos EUA e da possibilidade de corte de juros pelo Banco Central Europeu (BCE).

O IBGE irá divulgar, na terça-feira (4), os dados do PIB brasileiro. As expectativas, segundo pesquisa da Reuters, indicam um avanço de 0,8% em relação ao trimestre anterior, sinalizando uma recuperação do ritmo econômico.

No âmbito político, os investidores continuam aguardando o anúncio de medidas de compensação para a desoneração da folha salarial.

Além disso, o Senado está analisando o projeto que estabelece o programa automotivo Mobilidade Verde e Inovação (Mover), que agora inclui a proposta de taxação de 20% sobre compras internacionais de até US$ 50, atualmente isentas.

Ainda nesta segunda, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem programada uma reunião com líderes do Congresso. Posteriormente, participará da cerimônia de posse da ministra Cármen Lúcia como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sucedendo o ministro Alexandre de Moraes.

EUA

Os índices futuros dos EUA estão majoritariamente em alta no início do primeiro pregão de junho, com investidores aguardando dados industriais nesta segunda-feira.

Wall Street está vindo de um maio robusto, onde todos os três principais índices registraram seu sexto mês positivo em sete. O Nasdaq teve um destaque especial, com um aumento de 6,9%, o melhor desempenho mensal desde novembro de 2023.

Cotação dos índices futuros dos EUA:

Dow Jones Futuro: -0,08%

S&P 500 Futuro: +0,14%

Nasdaq Futuro: +0,40%

Bolsas asiáticas

Os mercados da Ásia e do Pacífico encerraram a sessão de segunda-feira predominantemente em alta, beneficiando-se do alívio nas preocupações com a inflação e as taxas de juros nos EUA.

Na sexta-feira (31), os dados da inflação PCE dos EUA vieram conforme o esperado, fortalecendo as expectativas de uma possível redução das taxas de juros básicas americanas ainda este ano e impulsionando os índices Dow Jones e S&P 500 em Nova York.

Shanghai SE (China), -0,27%

Nikkei (Japão): +1,13%

Hang Seng Index (Hong Kong): +1,79%

Kospi (Coreia do Sul): +1,74%

ASX 200 (Austrália): +0,77%

Bolsas europeias

Os mercados europeus também operam em alta, prolongando a recuperação da semana passada, enquanto os investidores esperam a próxima decisão do Banco Central Europeu (BCE) sobre as taxas de juros.

É esperado que o BCE reduza as taxas de juro pela primeira vez desde 2019, quando os formuladores de políticas se reunirem na quinta-feira.

FTSE 100 (Reino Unido): +0,15%

DAX (Alemanha): +0,73%

CAC 40 (França): +0,25%

FTSE MIB (Itália): +0,72%

STOXX 600: +0,36%

Radar corporativo que movimenta o Ibovespa

As negociações entre Dasa (DASA3) e Amil (AMIL3) para a fusão de seus hospitais, cada um com 12 unidades, avançaram rapidamente, segundo informações da repórter Beth Koike. A informação foi divulgada pela Coluna de Paulo Jardim, do O Globo, na noite do último domingo (2).

Positivo Tecnologia (POSI3) anunciou nesta segunda-feira (3), a conclusão da aquisição da Algar Tech MSP, o braço de serviços gerenciados de TI da Algar Tech, pertencente ao Grupo Algar, após receber a aprovação dos órgãos reguladores para o acordo avaliado em R$ 235 milhões.

Segundo projeções da Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo), as aéreas ao redor do mundo devem encerrar o ano de 2024 com um lucro líquido de US$ 30,1 bi, alta de 11,3% contra o resultado do ano anterior.