Commodities influenciam

Ibovespa fecha em alta com auxílio da Petrobras (PETR4); dólar cai

O Ibovespa fechou a sessão desta terça-feira (2) com alta de 0,44%, aos 127.548,52 pontos; o dólar caiu, a R$ 5,05.

Foto: Pexels / Ibovespa
Foto: Pexels / Ibovespa

O Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, fechou a sessão desta terça-feira (2) com alta de 0,44%, aos 127.548,52 pontos. O dólar comercial caiu 0,02%, a R$ 5,05.

A inquietação com o início do ciclo de redução dos juros nos EUA segue pressionando o Ibovespa, que nesta sessão operou com oscilações. Segundo a avaliação de Alexsandro Nishimura, economista e sócio da Nomos, a alta das blue chips ligadas às commodities ajudou para blindar o índice.

“O setor bancário voltou a ser pressionado pelo ambiente de cautela no mercado internacional e a alta dos juros dos Treasuries, além de digerirem dados do Banco Central sobre crédito em fevereiro”, afirmou ele.

Já o especialista em mercado de capitais e sócio da Matriz Capital, Felipe Pohren de Castro, vê que a provável manutenção das taxas norte-americanas, por mais tempo do que o esperado, para frear a inflação, desestimula os investidores a buscar retornos maiores em outros mercados, como a Bolsa brasileira.

O avanço do petróleo WTI, negociado acima dos US$ 85 pela primeira vez desde outubro, ajudou a impulsionar as ações da Petrobras (PETR4).

Além disso, entre os demais papéis em alta, as Lojas Renner (LREN3), valorizou após a recomendação de compra pelo BofA (Bank of America).

Ao passo que a 3R Petroleum (RRRP3) subiu no Ibovespa, em decorrência da possível fusão com a Enauta (ENAT3). “O que reforça as perspectivas positivas para a empresa que já está envolvida em conversas com Petro Recôncavo”, observou Castro.

Ao contrário, entre as quedas, a Petro Recôncavo (RECV3) cai, justamente, pela notícia de possível fusão entre os pares do setor.

Altas e Baixas do Ibovespa: Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4) avançam

No setor petrolífero, as ações da Petrobras (PETR3;PETR4) avançaram 2,75% e 2,58%, respectivamente. Prio (PRIO3) valorizou 1,36%.

Entre as mineradoras e siderúrgicas, a Vale (VALE3) subiu 1,18%. Gerdau (GGBR4) registrou alta de 0,76%. Usiminas (USIM5) valorizou 1,49%.

No setor bancário, Itaú (ITUB4) e Banco do Brasil (BBAS3) operaram com alta de 0,12% e 0,16%, respectivamente. Bradesco (BBDC4) e Santander (SANB11) também seguiram da mesma forma, com valorização de 0,54% e 0,07%, em sequência.

Entre as varejistas, Magazine Luiza (MGLU3) caiu 2,25%. Seguindo o mesmo curso, as ações das Lojas Americanas (AMER3) recuaram 3,28%. Casas Bahia (BHIA3) valorizou 0,29%.

A Lojas Renner (LREN3) liderou os ganhos do Ibovespa, avançando 3,80%. Logo atrás, Engie (EGIE3) e Petrobras ON (PETR3) registraram altas de 2,76% e 2,75%, respectivamente.

Já na ponta negativa, Petro Recôncavo (RECV3) liderou as perdas, caindo 8,64%. Em seguida, vieram Azul (AZUL4) e Vamos (VAMO3) , com perdas de 2,85% e 2,66%.

Dólar: BC intervém para reduzir valor

No mercado de câmbio, o dólar voltou à valorizar acima dos R$ 5. Diante do cenário, o BC (Banco Central), decidiu intervir e realizar um leilão adicional de “swap cambial”.

A movimentação visou a venda da moeda norte-americano no mercado futuro, deixando de fora as reservas de dólar do País.

Segundo o Head de Cripto da InvestSmart, William Lee, outra operação chamou atenção dos agentes do mercado: a divulgação do ISM dos EUA (Índice de novos pedidos) bem acima do esperado pelo mercado.

Isto ajudou a tese de que o Fed (Federal Reserve) adiará o corte de juros para depois de junho.

“Com isso, o mercado passou a questionar dois pontos: Por que o Banco Central lançou apenas US$ 1bilhão se o vencimento da NTN-A3 é de cerca de US$ 3,6 bilhões e por que a decisão de intervenção foi apenas agora, que o mercado de câmbio mostrou volatilidade?”, expressou.

Sendo assim, há duas possíveis respostas: que o BC realizará mais leilões até atingir o valor de R$ 3,6 bilhões, ou que o BC se preocupa mais com a valorização do dólar frente ao real.

“As consequências dessa intervenção para o real no curto prazo não estão claras, porém hoje o real é uma das moedas emergentes que menos desvaloriza em relação ao dólar”, disse Lee.

Índices do exterior fecharam em baixa

Os principais índices europeus tiveram desempenhos mistos nesta terça-feira (2). O índice DAX, de Frankfurt, desvalorizou 1,18%, enquanto o CAC 40, de Paris, recuou 0,92%. Já o índice pan-europeu Stoxx 600 caiu 0,76%. Em Wall Street, os índices S&P 500 e Nasdaq recuaram 0,72% e 0,95%, respectivamente. Já o Dow Jones desvalorizou 1,00%.