Mercado

WEG (WEGE3): BBA recomenda reduzir posição vendida antes de balanço

Na visão do BBA, a tendência é que a Weg observe uma desaceleração no 3T23, mas continue apresentando bom desempenho

Os analistas do Itaú BBA (ITUB4) recomendaram em relatório que os investidores reduzam suas posições vendidas em ações da Weg (WEGE3) antes do balanço trimestral da empresa, que será divulgado na próxima quarta-feira (25).

Na visão do banco, a tendência é que a Weg observe uma desaceleração no terceiro trimestre, mas continue apresentando bom desempenho.

“Visão conservadora para o setor está mantida”, escreveu o Itaú BBA em relatório ao traçar um paralelo sobre a japonesa Nidec, concorrente da WEG na divisão de produtos industriais, que divulgou seus resultados com desaceleração das margens.

Os analistas da instituição financeira mantém uma visão mais cautelosa para o médio prazo. Os cálculos apontam para uma desaceleração apenas moderada na receita e nas margens este trimestre.

“Visualizamos um cenário de lucratividade estável para 2024, com desaceleração das receitas, margens em queda e aumento na taxa de impostos. No entanto, observamos que os resultados do 3T23 da WEG ainda podem não apresentar uma tendência de queda; um cenário de lucratividade estável parece mais provável”, pontuaram.

O BBA recomenda o papel da Weg como neutro, com preço-alvo de R$ 46,00.

Weg (WEGE3): BTG (BPAC11) recomenda compra

As ações da Weg (WEGE3) receberam recomendação de compra do BTG Pactual (BPAC11). Além disso, o banco brasileiro estipulou um preço-alvo de R$ 50,00 para a empresa de equipamentos eletroeletrônicos.

A avaliação do BTG surge após a Weg fechar um acordo para aquisição de motores e geradores elétricos do parque industrial da Regal Rexnord por US$ 400 milhões.

Para a instituição financeira, a aquisição cria espaço para empresa ganhar participação em mercados importantes como os EUA e Europa.

“O acordo amplia a presença produtiva da Weg fora do Brasil, particularmente na América do Norte, onde a companhia alcançou considerável escala e melhorou os retornos”, escreveu a equipe do BTG.

Além disso, os analistas da casa avaliam que o negócio também traz outras características interessantes para a Weg, como a ampliação do portfólio de produtos fabricados localmente e complementação de linhas já existentes.

O BTG crê que os investidores receberão bem a capacidade da companhia em acelerar o crescimento em mercados externos em termos de geração de valor.

“À medida que os investidores precificam o ritmo mais lento de expansão da receita líquida este ano após o grande ciclo de crescimento durante a pandemia, o negócio garante uma grande expansão da receita líquida em mercados importantes”, disseram os analistas do banco sobre a Weg.