Consolidação da indústria

3R (RRP3) e Enauta (ENAT3) chegam a acordo sobre fusão de R$ 6 bi

O negócio representa o início de uma consolidação da mais ampla da indústria de óleo e gás do Brasil.

Foto: Divulgação/3R
Foto: Divulgação/3R

Os papéis da 3R Petroleum (RRP3) e da Enauta (ENAT3) avançaram nesta sexta-feira (17). O crescimento veio após as petrolíferas brasileiras selarem um acordo totalmente em ações.

O negócio entre a 3R Petroleum (RRP3) e a Enauta (ENAT3) representa o início de uma consolidação da mais ampla da indústria de óleo e gás do Brasil.

Por volta das 15h (horário de Brasília), as ações da Enauta subiam 2,09%, a R$ 24,92. Já as da 3R disparavam 6,63%, a R$ 31,35.

Com a operação, os acionistas da Enauta receberão 0,8092 ação da 3R Petroleum para cada uma de suas ações na transação.

Com base nas ações em circulação da Enauta e no preço de fechamento da 3R na véspera, o negócio está avaliado em aproximadamente US$ 1,2 bilhão (cerca de R$ 6 bilhões). A 3R possuirá 53% da nova companhia, ao passo que os acionistas da Enauta possuirão o percentual remanescente.

A combinação gerará uma empresa com potencial de produção de 100 mil barris por dia de petróleo e gás natural, conforme informações da “Bloomberg”.

3R (RRRP3) reverte lucro e tem prejuízo de R$ 229,9 mi no 1T24

No primeiro trimestre de 2024 (1T24), a 3R Petroleum (RRRP3) registrou um prejuízo líquido de R$ 229,9 milhões, em contraste com o lucro líquido de R$ 16,1 milhões no mesmo período do ano anterior.

Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado atingiu R$ 724,6 milhões no 1T24, marcando um aumento de 4,7 vezes em comparação com o primeiro trimestre de 2023 (1T23).

A margem Ebitda ajustada alcançou 36,1% no período de janeiro a março deste ano, representando um aumento de 9 pontos percentuais em comparação com a margem registrada no primeiro trimestre de 2023.