XP e Atmos investem R$ 250 milhões no ‘banco que diz sim’, o Will

O Will é um banco que atende um público “marginalizado”.

A Atmos Capital se uniu ao fundo de prIvate equity da XP e estão investindo R$ 250 milhões em troca de uma participação minoritária no Will Bank, um banco digital, cujo maior público está situado no Nordeste e possui mais de 1 milhão de clientes ativos, sendo que a maior parte destes estão à margem do sistema financeiro nacional.

Enquanto outros bancos digitais buscam solucionar problemas para os bancarizados insatisfeitos, o Will busca atrair aqueles que sequer conseguiram “ficar insatisfeitos”. A base da instituição é composta por 60% dos clientes no Nordeste, 55% localizados em municípios com menos de 100 mil habitantes, e 40% teve seu primeiro cartão de crédito com o Will.

 
“Somos o banco que diz sim para os invisíveis do crédito”, diz Felipe Felix, CEO e cofundador da instituição, ao Brazil Journal.
 
O Will disponibiliza conta digital, cartão de débito e um cartão de crédito. “A relação das pessoas com os bancos é muito machucada. Elas consideram os produtos caros e não conseguem ter acesso aos que elas mais querem e precisam, que é o crédito”, declara ele. “Não basta dar só uma conta digital”.

A instituição possui 1,7 milhão de cartões de crédito com seus clientes. Em 2020, foram feitas R$ 4,5 bilhões de transações, neste ano o número deve subir para R$ 8 bilhões. Com isso, o faturamento do banco deve ser de cerca de R$ 850 milhões em 2021, configurando o terceiro ano consecutivo de breakeven.
 

Com estes resultados, o Will acaba sendo a maior instituição de pagamento do Brasil, depois do Nubank.