Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.

Dinheiro

ONS abre chamada pública para contratar energia emergencial de usinas térmicas

Folhapressem 26 de julho de 2021 18:34
  • Contratos terão prazo de até seis meses, prorrogáveis por mais 30 dias
  • Para se habilitar, as usinas precisam respeitar alguns requisitos, como a possibilidade de modular a geração

O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) abriu nesta segunda-feira (26) chamada pública para a contratação emergencial de usinas térmicas sem contrato para ajudar a poupar água nos reservatórios das hidrelétricas brasileiras.

A chamada é direcionada a geradores que não têm contrato de venda de energia, com o objetivo de adicionar nova capacidade ao sistema. Os contratos terão prazo de até seis meses, prorrogáveis por mais 30 dias para o consumo de eventuais sobras de combustíveis.

As regras para a contratação foram publicadas pelo governo na sexta (23). Em comunicado divulgado nesta segunda, o ONS pede que eventuais interessados informem a capacidade disponível, o custo de geração e os prazos contratuais desejados.

Para se habilitar, as usinas precisam respeitar alguns requisitos, como a possibilidade de modular a geração e de ter medição da CCEE (Câmara Comercializadora de Energia Elétrica), além de não terem contratos de entrega de energia atualmente.

A contratação emergencial de capacidade de geração é uma das prioridades entre as medidas já anunciadas pela Creg (Câmara de Regras Operacionais de Gestão da Crise Hidroenergética), grupo liderado pelo MME (Ministério de Minas e Energia) para enfrentar a crise.

No mercado, a expectativa é que sejam contratadas principalmente usinas a biomassa, que usam como combustível resíduos vegetais, como bagaço de cana e madeira. Há grande preocupação com relação aos custos dessa geração, que podem pressionar ainda mais a conta de luz.

Na última quinta (22), o ONS acendeu um novo alerta com uma nota técnica sobre os desafios frente ao cenário de grave crise hídrica nos reservatórios de hidrelétricas, sinalizando que a capacidade de geração de energia no país poderá ser levada ao seu limite.

Apesar de não ver ainda riscos de desabastecimento, o operador indica que as "sobras" de potência -necessárias para atender eventuais picos de demanda ou garantir a estabilidade do sistema mesmo em casos de falhas eventuais na oferta- poderão se esgotar no penúltimo mês do ano.

O sinal vermelho foi ligado após o órgão elevar a previsão de carga e considerar uma menor e mais "realista" disponibilidade térmica para atender a demanda de energia, conforme nota técnica publicada pelo operador do sistema.

O governo vem repetindo que não há risco de racionamento no país, mas é grande a preocupação com o atendimento nos horários de pico, quando a demanda dispara pelo maior uso de aparelhos com grande consumo, como ar condicionado ou chuveiros elétricos.

Para evitar o risco, o ONS também pediu aos geradores brasileiros que adiem paradas para manutenção em usinas previstas para o segundo semestre. As paradas técnicas devem ser adiadas o máximo possível, pelo menos até o início do período chuvoso que começa no próximo mês de novembro.

Em outra frente, a Creg flexibilizou restrições a vazões de bacias hidrográficas importantes para a capacidade de geração de energia no país, com o objetivo de gerenciar melhor os reservatórios nas usinas hidrelétricas.

Nesta segunda, os reservatórios das hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste, consideradas a principal caixa d'água do setor elétrico brasileiro estavam com menos de 28% de sua capacidade de armazenamento de energia.

Relacionadas