Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.

Empresas

AngloGold pretende desativar barragens no Brasil

Redação BP Moneyem 14 de setembro de 2021 18:12
  • O resultado final é finalizar as barragens que concentram rejeitos de mineração, reduzindo riscos ao meio ambiente;
  • Os investimentos são concentrados na aquisição de plantas de filtragem e nos terrenos para receber o rejeito seco;
  • Para Camilo Farace, vice-presidente da AngloGold Ashanti Brasil, a decisão não está relacionada a eventuais riscos de segurança.

A mineradora sul-africana AngloGold Ashanti, uma das empresas mais antigas em operação no País, está investindo R$ 1,6 bilhão neste ano no Brasil com o objetivo de implementar um sistema para filtragem e empilhamento a seco de rejeitos nas suas unidades de produção de ouro. O resultado final é finalizar as barragens que concentram rejeitos de mineração, reduzindo riscos ao meio ambiente. Durante a implantação do projeto, a empresa abrirá 2 mil vagas nas regiões das plantas da AngloGold, localizadas nos Estados de Minas Gerais e Goiás. As informações são do Estadão.

Deste ano, os investimentos são concentrados na aquisição de plantas de filtragem e nos terrenos para receber o rejeito seco. A companhia produz, atualmente, cerca de 510 mil onças de ouro por ano no País, o correspondente a 15 toneladas - o que dá 15% do total da produção global do grupo sul-africano.

A relação da AngloGold com o Brasil remonta ao século 19, ainda como Saint John del Rey Mining Company. Em 1881, a empresa chegou a receber o casal imperial Dom Pedro II e Tereza Cristina, que visitaram uma mina em Congonhas (MG).

O processo pelo qual as barragens da AngloGold vão passar é chamado tecnicamente de descaracterização. Após o tratamento dos rejeitos, a área pode ser incorporada ao meio ambiente. Com o investimento bilionário, as barragens deixam de receber novos rejeitos neste ano - com a descaracterização sendo realizada a partir do ano que vem, em um processo que deve ser encerrado em 2026. Os espaços receberão plantas nativas de suas regiões.

Para Camilo Farace, vice-presidente da AngloGold Ashanti Brasil, a decisão não está relacionada a eventuais riscos de segurança. "É importante deixar claro que nossas barragens estão estáveis e seguras. São diariamente monitoradas, e dentro das normas exigidas. A decisão reforça o compromisso da companhia com tecnologias mais modernas", diz.

Farace explicou que o rejeito da mineração é composto pela mistura de água e de parte sem aproveitamento econômico do minério. Hoje, após o processo de produção de ouro, esse material é direcionado para a barragem. Com o processo a seco, o rejeito gerado será filtrado. Esse material pode ser usado para preencher cavas exauridas ou ser empilhado.

O vice-presidente afirma que a decisão do investimento foi tomada antes do rompimento da barragem de Córrego do Feijão, da Vale em Brumadinho (MG), em janeiro de 2019, que causou centenas de mortes e chamou a atenção para a segurança dessas estruturas, sobretudo no Estado de Minas Gerais. No fim de 2015, o País já havia assistido ao rompimento de uma barragem da Samarco (sociedade entre a Vale e a BHP Billiton).  

Relacionadas