- Publicidade -

Mercado de opções não é ‘cemitério do malandro’, diz fundador do curso Turbine Seus Ganhos Operando Opções

O médico Rafael Bastos tem apenas um arrependimento sobre sua entrada no mercado financeiro: não ter começado antes. Atuando há 6 anos como investidor, ele acumulou experiência com cursos sobre o tema e com a ajuda de outros operadores do mercado. Hoje, possui o Turbine Seus Ganhos Operando Opções, um curso voltado para pessoas que desejam ingressar no setor. Seu tempo é dividido entre o mercado e seu trabalho numa Unidade de Terapia Intensiva de Aracaju.

Bastos diz que, por conta de sua profissão, já estava acostumado a lidar com estresse e esse não foi um problema para ele no mercado. Com tantas possibilidades, se apaixonou pelo mercado de opções, onde se negocia o direito de comprar ou vender determinado ativo por um preço fixado no futuro. Assim, consegue uma melhor defesa para seus investimentos, ficando menos vulnerável às oscilações do mercado.

Apesar disso, o investidor não abre mão de outros tipos de investimento. Ele aposta numa carteira diversificada e passa diversas possibilidades para seus alunos, com o mercado de opções sendo o “turbo”, como diz.

Como você começou no mercado financeiro?

Eu comecei relativamente tarde, infelizmente. Se eu soubesse, poderia ter começado antes, e esse é meu único arrependimento. De lá pra cá fiz muitos cursos, procurei pessoas com conteúdo e credibilidade e foi quando conheci o Francinaldo Gomes, que hoje é um parceiro nosso e tem um curso chamado Enriquecer Faz Bem à Saúde, e foi através desse curso que eu saí do zero absoluto a começar a montar uma carteira com meus assessores. Mas o que me apaixonou mesmo foram as opções, que eu comecei a trilhar o caminho nessa área há 5/6 anos e realmente é minha grande paixão.

Como surgiu a ideia de criar um curso sobre o tema?

Pela ausência de um curso como esse em nossa cidade. Há 5 anos, em Aracaju (SE), não tínhamos nenhum contato com opções. Quando começamos a estudar, fomos pioneiros desse setor no estado, de modo que realmente nos apaixonamos e acabamos nos aproximando. Depois de um tempo, as pessoas que começaram a aprender viram em nós uma referência no mercado de opções, e depois de tirarmos tantas dúvidas informalmente, resolvemos fazer isso de forma organizada. Montamos um serviço de mentoria para opções, com uma reprodução do que fazíamos em nossa carteira, filtramos nossos estudos e resolvemos parametrizar e transformar tudo num curso. Hoje, já fizemos mais de 10 edições, todas lotadas.

Qual o foco e o público-alvo de vocês?

Nos últimos anos, trabalhamos com a parametrização do mercado de opções para quebrar o paradigma de que essa área é o “cemitério do malandro”, como se fosse algo no qual se perde dinheiro. Queríamos tornar o mercado de opções factível, prático e reprodutivo para todos. 

Nós formulamos um algoritmo bem definido, para que pessoas que não são do mercado financeiro ou que não querem realizar uma análise gráfica ou fundamentalista pudessem entender e operar no mercado de opções. Foi algo voltado para esse público, para que as pessoas que não entendem a dinâmica do mercado e não querem ficar olhando todo dia pudessem atuar na área com certa tranquilidade.

Qual a sua visão sobre o mercado atualmente?

É bom lembrar que o nosso posicionamento em opções não muda tanto com a oscilação do mercado. Nós não operamos com tendências, conseguimos administrar as perdas e ganhos de acordo com nossa estratégia, independentes de alta ou queda. 

Minha opinião sobre o mercado é fora desse otimismo momentâneo. A gente vê atualmente um mercado baseado em liquidez extrema pelos governos e bancos centrais, que estão injetando muito dinheiro na economia. O juro no patamar mais baixo estimula a saída da renda fixa e a migração para renda variável, e os CPFs na bolsa praticamente triplicaram. O que a gente deixa de olhar às vezes é o endividamento ao qual os estados e as nações estão se submetendo por conta do coronavírus. Com a pandemia, as economias sofreram uma desaceleração mais aguda, e acho que em 2021 deve haver aumento do desemprego, recolocação da taxa de juros um pouco mais acima e uma retração do mercado de ações. Estamos começando a entrar numa situação fora do otimismo, desenhando uma correção mais forte. Esse otimismo todo não se sustenta por muito tempo. 

Quais são seus planos para o futuro com esse cenário?

Nós tentamos realizar uma estratégia atemporal. Todas as 10 edições do curso foram diferentes, já passamos por greve dos caminhoneiros, subida forte da bolsa, coronavírus, e traçamos estratégias para os cenários mais caóticos possíveis. Essa foi uma estratégia consistente. Nos preocupamos o tempo inteiro em estar renovando e fazendo leituras que sempre permitem uma proteção. Em nossos cursos, apesar de abordarmos fundamentalmente as opções, nós mostramos estratégias que podem minimizar perdas e alavancar ganhos. Citamos outras situações com gavetas de valor para investimentos aos nossos alunos, como dolarizar o capital fora do país, criptomoedas, e até mesmo a renda fixa, que é fundamental em nossa estratégia. Temos uma carteira bem diversificada e as opções acabam sendo o turbo da carteira.

Últimas Notícias

- Publicidade -

Notícias relacionadas